segunda-feira, 11 de junho de 2018

O que era o espinho na carne de Paulo?


Vamos ler o texto para melhor compreensão (2 Coríntios 12.7-9) "E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar". Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo".

Alguns sugerem que o tal "espinho na carne" fosse uma doença incurável, embora a bíblia não relata, mas eu creio em pelo menos duas possibilidades: que seja uma pessoa enviada pelo diabo para perturba-lo, uma perseguição humana ou uma perturbação demoníaca. Espinho aqui comunica a ideia de dor, de aflição e sofrimento, de humilhação, mas não de tentação para pecar.
O espinho de Paulo aparece indefinido de modo que qualquer que tem um "espinho" na vida podem aplicar esta passagem a si mesmo. O espinho pode ter sido também uma ação demoníaca contra ele permitido por Deus, mas, porém, limitada.

O versículo diz: "um mensageiro de satanás", este mensageiro também creio que possa ser uma pessoa enviada pelo diabo. Na tradução NVI diz um mensageiro de Satanás para me atormentar, enquanto na JFA diz esbofetear. Na letrinha que aparece do lado da palavra mensageiro, no rodapé também significa "anjo, mensageiro ou anjo".
Então as hipóteses mais prováveis teria sido uma pessoa usada pelo diabo para persegui-lo ou uma ação diabólica, mas tudo permitido por Deus e nada acima do que ele seria capaz de suportar (1 Coríntios 10.13).

Pesquisar este blog